Coleta de dados: quais são os métodos e como fazer?

A coleta de dados precisa vir acompanhada de análise para uso estratégico. Saiba como criar uma cultura data-driven!


clock
6 min
Coleta de dados: quais são os métodos e como fazer?

O McDonald's teve aumento de 7,5 % em receita global nas vendas comparáveis, no início de 2021. O Nubank, que até 2013 era conhecido como uma operadora de cartão de crédito, hoje é uma das fintechs mais inovadoras e valiosas no mundo. O Walmart descobriu que reduzir quatro segundos de espera do cliente no site aumentou 8% em conversões.

De diferentes maneiras, essas companhias mundialmente reconhecidas investem ativamente na coleta de dados e na utilização estratégica deles em seus negócios:

  • McDonald's descobriu novas formas de atuação entendendo a fundo o desejo dos seus consumidores;
  • Nubank ampliou expressivamente seu leque de serviços financeiros, alcançando ainda mais mercados e pessoas, e
  • Walmart converteu potenciais clientes em shoppers.

O que essas gigantes e tantas outras têm em comum? A coleta de dados e o uso planejado dessas informações para entender melhor seus mercados e conquistar mais clientes. Porém, engana-se quem pensa que isso é extremamente complicado ou que exige um cientista de dados para análise, pois não é assim

Os dados são gerados de formas que, muitas vezes, nem imaginamos e precisam apenas de disciplina para coletá-los com recorrência, organização para separá-los e objetivos bem definidos para conseguir separar o que é necessário naquele momento ou contexto. Neste artigo, nós vamos explicar o porquê disso e como fazer. Aproveite a leitura!

O que é e para que serve a coleta de dados - data-driven

A coleta de dados é um processo utilizado para captar informações geradas pelas pessoas (ou por processos) e que servirão de insumos para planejar estratégias para o negócio. Esses dados podem ser coletados em plataformas específicas para coletas, formulários, sites e outras metodologias.

O recolhimento de dados é um método que permite ter um panorama completo e entender a fundo os resultados da empresa, assim como o que pode ser aprimorado ou revisto e, ainda, se há brechas para novas atividades, por exemplo.

Saiba que o comportamento do consumidor é a base central da maior parte da geração de dados na web, independentemente do segmento ou porte da empresa. Afinal, ele “deixa rastros” de tudo o que faz pela internet: entra em um site, coloca um produto no carrinho, depois o tira, compra, acessa as redes sociais, entre outras ações.

Por que a coleta de dados é tão importante?

Mas, se os dados são algo tão triviais para qualquer área, por que merecem toda essa relevância? Porque nem todas as empresas fazem o uso correto desses ativos tão valiosos e que muitas vezes acabam sendo subutilizados. A principal dificuldade enfrentada por boa parte das empresas que até sabem da importância é exatamente o “como”.

Não por acaso, companhias que são data-driven (orientadas por dados) já ouviram falar que “dados são o novo petróleo”, dita pelo matemático Clive Humby. Fato é que muitas organizações não investem em dados de forma que faça sentido para a atividade e, por isso, acabam perdendo grandes oportunidades.

Principalmente para empresas que são desenvolvidas totalmente em ambiente digital, são os dados que conseguirão traduzir tudo o que é preciso entender sobre o negócio. Dessa forma, cabe à equipe de Marketing desvendá-los corretamente e repassá-los para ajudar a montar os planejamentos estratégicos dos setores.

Photo by Stephen Phillips - Hostreviews.co.uk on Unsplash

No entanto, vale destacar que a coleta de dados é uma atividade que deve ser feita de forma recorrente e consistente pelas empresas; se possível, fazer parte da rotina. Não basta, por exemplo, recolher essas informações uma vez só, esquecê-las e não repetir o processo.

Lembre-se de que o comportamento dos consumidores muda a todo momento, principalmente à medida que novas tecnologias vão surgindo. Por isso, não é efetivo, por exemplo, aproveitar (somente) dados de 2019 para utilização em 2021.

Muita coisa mudou de lá para cá e, certamente, o panorama será outro. E se não for, será por meio dos dados atuais que você conseguirá comparar essas informações e entender os motivos de nada ter mudado — o que é bem pouco provável, concorda?

Saiba mais: veja como a criação de uma cultura de dados trouxe ganhos significativos para a Embaré e, também, como a Lis Capital inovou no processo de análise de dados para tomada de decisão com auxílio de pesquisa.

Tipos de coleta de dados mais aplicados

Hoje em dia não é difícil ser data-driven. Mais do que isso, podemos dizer que não ser data-driven é um risco para as empresas. E introjetar essa cultura na empresa não é tão difícil quanto parece, porque existem diversas formas de coletar dados, armazená-los e aplicá-los nas estratégias de marketing.

Selecionamos alguns dos principais e mais eficientes ferramentas. Confira.

Google Analytics

Uma plataforma gratuita (porém, considerada mais generalista por muitos) é o Google Analytics. Nela, são apresentados diversos dados como tráfego, origem dos usuários, páginas em que houve conversões e muito mais, em formatos de dashboard, que você pode acompanhar de acordo com as métricas mais importantes a serem avaliadas no seu negócio.

Além disso, o Google Analytics permite a conexão com outras ferramentas de automação e fornece uma coleta de dados simples, extraída a partir de métricas já calculadas pelo Google.

Google Analytics é uma ferramenta gratuita e rica em dados do seu site

Apesar de ser bastante eficiente, um ponto a ser considerado é que, pelo fato de o Analytics ser um recurso amplamente utilizado em todo o mundo, nem sempre o usuário tem a assistência que precisa para entender indicadores do sistema e tirar dúvidas de maneira acessível e rápida.

Oracle Data Mining

Essa é uma ferramenta que permite fazer uma mineração de dados — que é como uma peneira ou uma triagem do conteúdo obtido — a partir da análise das informações geradas pelo ODM.

Ao mensurá-los, o analista terá insumos relevantes para aplicar nas ações da empresa, como fazer projeções do comportamento dos clientes e identificar personas.

CRM

A sigla que representa Customer Relationship Management, ou em bom português Gestão do Relacionamento, é a estratégia para organizar e gerenciar todos os contatos de uma empresa, sendo clientes ou não. Para isso, é utilizada um software que integra os dados e permite que diversas áreas conversem entre si, tendo visão de todas as informações de forma única.

Existem diversas ferramentas no mercado como RD, Salesforce, Pipefy, Pipedrive e muitas outras. A escolha vai depender da estratégia, do porte e do orçamento que sua empresa possui.

Algumas vantagens de adotar um bom CRM em sua empresa:

  • Maior integração entre squads e áreas diversas;
  • Centralização das informações;
  • Maior agilidade no atendimento;
  • Otimização da jornada do consumidor a partir da análise de dados;
  • Redução de CAC;
  • Tomadas de decisão mais assertivas.

Questionários

Os questionários podem ser online ou físicos, mas não há dúvidas de que os feitos em ferramentas digitais oferecem muito mais agilidade e praticidade na mensuração dos dados.

Essa forma de coletar dados pode utilizar perguntas abertas ou fechadas e é indicada para avaliar a aceitação de produtos, satisfação com um atendimento, entre outras questões.

Pesquisa digital

A pesquisa digital é um dos modelos de coleta de dados mais modernos e utilizados por grandes players do mercado, principalmente por empresas que precisam de resultados rápidos na área de marketing.

As formas de abordagens da pesquisa online são amplas, permitindo que o profissional atue em diversas áreas e identifique gargalos que, juntos, podem prejudicar os resultados das estratégias.

Nesse sentido, além da percepção de movimentos feitos pelos consumidores, é possível saber o que os clientes acham do atendimento, dos produtos e serviços, do pós-venda, e em quais áreas existem lacunas que precisam de atenção para possíveis novas formas de atuação. Essa foi uma das sacadas do McDonald’s e contamos lá no início.

Aplicações e benefícios da pesquisa digital para coleta de dados

Você pode ter visto esses métodos de coleta de dados e pode ter achado confuso entender por onde começar a dar os primeiros passos nesse vasto mundo do big data. Mas não se preocupe, pois investir nesse tipo de estratégia pode ser mais simples do que você pensa — quando você conta com empresas especializadas nisso.

A boa notícia é que você pode iniciar o processo de forma gratuita, por meio de um teste e nós já vamos explicar como. Ao final da avaliação, se fizer sentido para o seu negócio e a aplicabilidade for eficiente para a sua empresa, você continua o processo. Do contrário, pode testar outras metodologias.

Por falar em aplicabilidade, falta você entender quais são elas e os benefícios que a pesquisa digital pode oferecer às suas estratégias de marketing. Veja alguns exemplos:

  • Entender quais são seus principais concorrentes;
  • Avaliar a satisfação dos clientes com a marca;
  • Perceber preferências, afinidades e traçar um perfil mais completo do seu público;
  • Identificar pontos de expansão;
  • Validar hipóteses e medir demanda para lançamento de produtos ou reposicionamento de marca;
  • Realizar avaliações de modo muito mais ágil, seguro e econômico do que as pesquisas tradicionais e que não utilizam recursos automatizados;
  • Trabalhar com metodologias já comprovadas por especialistas e, como você percebeu, também atestadas por grandes players.

As vantagens não param por aí, pois, além de fazer a coleta de dados, a pesquisa digital permite explorar campos bastante particulares de cada negócio, por isso, é importante que você conheça o seu a fundo.

Teve curiosidade para entender como funciona uma pesquisa online na prática? Como prometido, disponibilizamos um teste gratuito, por 15 dias, para você conferir como a nossa plataforma funciona. É só clicar aqui, fazer um rápido cadastro e aproveitar!


Início