Estudo Original

Futuro do varejo: a experiência de compra online

Futuro do varejo: a experiência de compra online

Realidade aumentada. Atrasos na entrega. Bitcoins. Produtos com defeito. Clubes de assinaturas. Falta de segurança. Em meio a novas possibilidades e velhos problemas, como os brasileiros avaliam sua experiência de compra no varejo ao usar o e-commerce?

Muito se fala sobre comportamento e preferências do consumidor quando o assunto são vendas no varejo: como as diferentes gerações se comportam, quais são as resistências que o brasileiro ainda encontra para comprar pela internet, que tipo de produto não pode ser comprado pelo e-commerce. Essas e tantas outras discussões vem pautando estratégias de todo um segmento. Mas o que realmente podemos assumir sobre a opinião do público brasileiro em relação à compra online?

Durante 7 dias, conversamos com 1000 pessoas: homens e mulheres, de diferentes idades, perfis socioeconômicos e residentes em todo o Brasil.

Quer saber o que descobrimos sobre a relação dos brasileiros com o e-commerce? A MindMiners te convida para uma imersão no mundo do varejo. O objetivo é traçar um raio-x da experiência de compra online e mapear tendências e oportunidades.

Boa leitura!

O brasileiro não tem mais medo de comprar online

A compra online já faz parte da rotina do brasileiro.

91% dos entrevistados já realizaram uma compra utilizando canais digitais.

Nessa nova realidade, a exceção são aqueles que nunca viveram a experiência.

44% realizaram entre 2 e 5 compras nos últimos 12 meses. Outros 22% fizeram entre 6 e 10 compras no varejo online.

Um volume bastante significativo para uma população que, até muito pouco tempo, se sentia insegura com a ideia de comprar pela internet. Quando ao comportamento por faixa etária, compras online tem a mesma penetração nas gerações X e Y.

Enquanto 92% dos Millennials já usaram o e-commerce para realizar compras online, a porcentagem quando olhamos para a geração X é praticamente a mesma:90%.
Mobile Payment using Payment Terminal
Photo by Jonas Leupe / Unsplash

A tecnologia vem substituindo o papel do vendedor no varejo

Com o smartphone nas mãos, o consumidor passou a ser o responsável por comparar funcionalidades dos produtos, buscar as opções mais adequadas às suas necessidades e consultar outros compradores.

54% já utilizou um smartphone dentro de uma loja física para ler comentários/reviews sobre o produto que queria comprar. Outros 67% usaram o dispositivo, também dentro da loja física, para comparar preços.

Photo by S O C I A L . C U T / Unsplash

Redes sociais como fontes de referências

As redes sociais nunca estiveram tão presentes na jornada de compra.

Para 56% são um lugar de compartilhamento de experiências positivas, garantindo assim mais segurança na hora de escolher produtos e marcas.

Dentro dessa dinâmica, os comentários negativos ainda são os mais relevantes e, consequentemente, os que mais influenciam a opinião.

83% admitem prestar mais atenção neles do que nos comentários positivos.

As redes sociais também atuam como um canal direto de e-commerce.

38% já compraram um produto por meio de link em alguma rede social.

O que ainda é tendência por aqui já se tornou realidade nos Estados Unidos com a Facebook Store.

Data Studio
Photo by Stephen Dawson / Unsplash

Relatório Futuro do Varejo na íntegra

Gostou do estudo sobre o Futuro do Varejo?

Dessa vez, focamos em vendas no varejo e o papel da tecnologia das redes sociais e-commerce. Mas você pode saber também a opinião de nossos entrevistados sobre os Bitccoins e quais problemas ainda estão presentes na experiência de compra ao usar o e-commerce

Gostou do estudo sobre o futuro do varejo?

Para ter acesso ao conteúdo na íntegra, com os gráficos, basta preencher o formulário abaixo: